História Revista do Traje Português

typical-traditional-portuguese-costumes-with-filigree-jewellery-from-the-historic-province-minho-image-by-porto-convention-and-visitors-bureau

A história dos trajes portugueses não é fácil de contar – não é por acaso que existe um Museu Nacional do Traje. A diversidade histórica e cultural do país levou a que, longe de existir uma indumentária representativa do país, subsistam diversos trajes, cada um com a sua origem e história. Veja alguns exemplos.

O traje típico da Nazaré é muito característico, denotando o forte sentido identitário das comunidades piscatórias. Os homens vestem camisa de flanela aos quadrados e usam um barrete, geralmente preto, sendo pretas também as calças. As mulheres usam as famosas “sete saias”, um chapéu de feltro preto (cilíndrico), lenço, tamancos pretos com sola de madeira e uma blusa com xaile.

O traje do Minho implica, para os homens, calças pretas, camisa decorada com motivos de amor, jaqueta preta e uma faixa vermelha. Para as mulheres, uma camisa bordada com um colete, que funciona como um espartilho, mas deixando grande mobilidade aos braços. A saia é muito rodada e com motivos que sugerem o período barroco. As meias brancas calçam chinelas pretas, e na cabeça vai um lenço, geralmente vermelho.

No Alentejo, as ceifeiras tinham dois trajes típicos: o de trabalho e o chamado “de portas”, ou seja, de estar em casa ou de sair, que não para trabalho no campo. Para trabalhar, usavam botas altas, saias dos calções (que eram depois apanhadas, para não incomodar), blusa, chapéu “aguadeiro” no inverno e chapéu de palha no verão. Findo o trabalho, a estética sobrepunha-se um pouco ao caráter prático: a saia era de gorgorina e já não apanhada; a blusa era de fazenda (no inverno); acrescentava-se um avental com folho e um lenço azul-escuro. Quantos aos homens, o pastor usa, além das calças e da camisa, um capote, os safões (tipo de sobre-calças de pano) e um pelido, um casaco de abas largas.

Além destes exemplos, poder-se-iam mencionar o traje de Santana (Madeira), o chapéu típico da ilha do Corvo, os trajes dos Pauliteiros de Miranda ou da Alta Estremadura – marcas etnográficas que o tempo não apagou.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *